8 de setembro de 2016

Produto com defeito

Quem nunca comprou um produto com defeito? Situação mais do que comum – infelizmente – e que leva muitos clientes a procurar os órgãos de defesa do consumidor, já que a solução nem sempre acontece de maneira espontânea.

O que precisamos saber é que, além dos defeitos de qualidade, – daquelas situações em que o produto não serve à finalidade a que se destina por apresentar um problema qualquer que afeta a sua funcionalidade,impossibilitando seu uso regular -, existem também os chamados defeitos de informação.

E eles são mais comuns do que se imagina e acabam causando danos ao produto, já que o consumidor não tem informações claras e corretas sobre o seu manuseio ou conservação.

E para ilustrar podemos citar o exemplo de um consumidor que comprou uma geladeira nova, mas não havia no manual de instruções informações adequadas sobre como proceder a limpeza de suas partes externas e quais produtos deveriam ser utilizados.

O comprador, de boa fé, acabou por utilizar um produto abrasivo que veio a danificar a porta da geladeira, que apresentou manchas após a limpeza. Nessa hipótese, é direito do consumidor reclamar. Não havia, como dito, informações claras no manual de instruções e nos documentos que acompanham o produto.

Situação análoga é aquela em que um eletrônico é ligado numa rede cuja voltagem é maior do que a suportada e acaba queimando. Aqui, também é preciso averiguar se foram entregues, junto com o produto, informações sobre a sua utilização. Em caso negativo, cabe ao fornecedor consertá-lo sem qualquer ônus para o consumidor.

Fonte: Tribuna PR

Nenhum comentário:

Postar um comentário